9/30/2006

Gretchen!

Gretchen e Rita Cadillac

Hoje, estava eu morgando confortavelmente no meu sofá super confortável quando ouço o ‘pi’ do celular.

-“Puta que o pariu, o povo não escolhe hora mais inconveniente né?!”

VOCÊ RECEBEU UMA NOVA MENSAGEM:

“Põe na Record. A Gretchen ta arrasando.”


Pus na Record e deparo-me com a Gretchen no meio de vários homens (entre eles o Márcio Garcia que estava com uma cara de “Depois que eu saí da Globo minha carreira despencou e agora eu cheguei no fundo do poço”.

Estavam fazendo perguntas pra ela, ao que a individua respondia toda sorridente.


Ápices do programa:
-“É difícil pro homem se relacionar com uma pessoa tão famosa como eu. Meu marido fala: nossa eu estou com a Gretchen!”

-“Meu cirurgião plástico me prometeu que eu vou ser linda pra sempre” (prova de que os homens mentem)

-“Eu estou lançando meu novo dvd pornô no final do ano.”

-“As mulheres da minha época foram criadas de outra maneira, as de hoje só querem saber de dinheiro.”

Ai, em suma, ri muito, alias, ri não, eu me dobreei de rir com a minha irmã!Justin, muito obrigado pela indicação, salvou meu sábado!

Beijos!
”Eu consigo passar sensualidade na dança sem parecer vulgar, e ensinei tudo que eu sei pra minha sobrinha Dayane.” Gretchen

Soundtrack: Gretchen – Melo do Piripiri (para aqueles que acham que o único sucesso da deeva máster foi Conga Conga)

PS.:A boca da Gretchen depois de tanto botox parece que vai explodir, ela pôs um brilhante no canino. Dá até aflição olhar para aquela boca. Alguém avisa que ta cafona?

-Enquanto escrevia esse post recebi uma mensagem com um conteúdo super triste, a avó do meu melhor amigo, a pessoa mais fantástica que eu conheço e que me cativa incrivelmente, morreu. Ele não merece. O mundo é mesmo um lugar muito feio, e se Deus existe como dizem, ele é um cara muito egoísta.-

10 Comments:

Anonymous Caio said...

Eita... e eu pederdi essa huahauahauahauahau bjus

domingo, 01 outubro, 2006  
Anonymous Just a Boy said...

essa tua paixão pela gretchen
no dia q tu reclamar de novo do paulo coleho eu vou falar dela ¬¬
mas a melhor perola foi na aprada gay do ano passado: eu sou tão mulher q se tivesse nascido homem seria gay
se mata!
uhjuahauahuahauhauhaaahahuah
quanto a parte mais triste, eu nao tenho muito o q dizer aqui, a nao ser q eu tbm estou triste
enfim, fica bem
bye

domingo, 01 outubro, 2006  
Anonymous §ilvia said...

Que saudade daqui... = / Tô afastada do Blog por falta de tempo! Mas quando vou visitar os blogueiros, o Alô Paixão é o ponto de partida... Gosto de te ler, gosto de saber de você, saber se está bem... E pode ter certeza que não tem nenhum texto aqui que eu não tenha lido... : -) Te acho autêntico, sincero e te admiro muito mesmo!

Também vi essa reportagem...^^.
Quanto ao post do dia 20 de setembro, adorei seu jeito de pensar. Fez muito bem em prevalecer com sua honestidade...

Enfim...você é muito especial pra mim, Léo... Gosto de ti um tantão assim... = ]

Beijinho.

domingo, 01 outubro, 2006  
Blogger Garoto Rebelde said...

Nossa a vinagrete nao é vulgar!!!
kkkkkk,aiaiaiai....sem coments.
Uai fiquei sabendo que ela ate iria fazer um filme pornô junto com a Rita cadilac,eu heinm...tudo pela fama.

Que pena cara,da força para seu amigo ae ,ele deve estar precisando muito de você.

abrçs.

domingo, 01 outubro, 2006  
Anonymous Ladra do Bem said...

Vc ainda teve sorte (???) que a viu pela TV toda produzida e eu que a encontro sempre, sem produção nenhuma, pois ela faz caminhadas perto de onde trabalho, pois a casa dela é no mesmo bairro!!! rssss
Xêro

domingo, 01 outubro, 2006  
Blogger Frank said...

Eu também vi o/ ela tava no sabadaço mais cedo, se você tivesse on-line eu te avisava.
Eu ƒiquei dançando na ƒrente da TV ƒeito um bobo :$
Sabe, as vezes não precisa ƒalar nada para o seu amigo, só o seu apoio já o deixará melhor. Meu pai também tá assim, um amigo dele estva naquele voo da Gol.

Abração.

segunda-feira, 02 outubro, 2006  
Blogger Ricardo said...

Meu lindo, vou deixar a Gretchen de lado e falar do seu último parágrafo.
Eu também perdi a minha avó há algum tempo, melhor, há alguns anos... na época a minha idade não era muito distante da de vcs...
Eu chorei, eu me senti mal, eu fiquei com saudades... mas eu nunca questionei Deus por isso.

Mais ou menos um mês depois eu tive uma surpresa muito agradável. Vai lá nos meus arquivos e clica no primeiro mês do meu Blog. Logo de cara tem o post que eu queria que vc lesse... depois disso vc vai me entender!

BEijão!

E acho muito linda a solidariedade que vc sente em relação ao seu amigo! :D

segunda-feira, 02 outubro, 2006  
Anonymous justin t. said...

te amo!

segunda-feira, 02 outubro, 2006  
Anonymous Sonhador said...

GRetchem.. eca!! Um dia marcamos de uma galera assistir o filme porno do alexandre frota, nunca pensei q pudesse rir tanto!!!
Meu Deus, os icones dos anos 80 estão virando uma nova categoria sub-trash!!
Oh dear lord!!!
Meus pesameses pro seu amigo, morte sempre é algo que abala bastante, espero q ele fique bem!

quinta-feira, 05 outubro, 2006  
Anonymous Anônimo said...

O padre Leo resolveu matar as saudades dos tempos de moleque e pediu ao chefe da ordem dele pra fazer um retiro espiritual, mas sozinho.

Aceito o pedido, ele foi pra um sítio que era da família dele. Só tinha lá o caseiro, a esposa dele e os dois filhos deles, dois garotões desabrochando pra adolescência.

No primeiro dia que teve lá, o padre Leo, ficou sentado no quarto dele, apoiado na janela, fingindo que tava lendo a Bíblia. Mas com uma mão ele ficava com a Bíblia aberta na janela e com a outra punhetava a rola, enquanto olhava os rapazes sem camisa, capinando o quintal.

Até o segundo dia foi isso. Depois, o padre Leo começou a olhar pros garotos e mexer na rola na frente deles. Mas nenhum dos dois deu bola pra ele. Afinal, não era que nem na igreja, que todo homem que se vê é louco por rola.

Então, o padre Leo começou a andar pelo sítio, procurando outra forma de satisfazer seu tesão. Até que viu um bezerrinho pastando sozinho.

O padre Leo não teve dúvida: tirou a roupa toda, correu pra perto do bezerrinho e começou a fazer carinho nele, que logo levantou a cabeça e começou a olhar pra ele.

A rola do padre Leo já estava dura, com a pele cabeça brilhando ao sol de tanto tesão. E botou a rola na boca do bezerrinho, que mamou com vontade aquela rola dura, enquanto o padre Leo virava os olhos e gemia de tesão.

Não demorou muito e ele encheu a boca do bezerrinho de porra, que ele bebeu logo.

O padre Leo se vestiu e voltou pra casa já meio satisfeito, mas ainda teve que bater mais três punhetas nesse dia até se acalmar.

No dia seguinte, ele voltou pro campo onde tinha visto o bezerrinho, mas só achou um cavalo lá. Mas não pensou duas vezes: tirou a roupa, foi até o cavalo, fez um carinhozinho e botou o pau na boca dele. E o cavalo mamou gostoso e o padre Leo gozou na boca dele.

Depois ele se abaixou embaixo do cavalo e ficou brincando com aquele pau enorme, balançando prum lado e pro outro, ficando nisso por uma meia hora.

Às vezes deixava o pau do cavalo parado, pois adorava ver as moscas pousando na ponta do pau do cavalo e depois vindo pousar na ponta do pau dele.

Depois, levantou, se punhtou um pouquinho até o pau endurecer de novo e foi pra trás do cavalo, começando a mexer no cu do cavalo com uma mão, até ele abrir, enquanto batia punheta com a outra.

Finalmente, enfiou o pau no cu do cavalo, que parece que nem sentiu, e foi metendo fundo ali até gozar, babando e tremendo todo.

Ele vestiu a roupa e voltou pra casa, sem precisar nem voltar a se punhetar nesse dia.

No dia seguinte, quando pensava em voltar pro campo pra procurar outro bichinho, ele viu que os caseiros e os dois filhos tinham saído, mas tinham deixado o cachorro, um pastor alemão enorme, mas que era mansinho.

O padre Leo não teve dúvida: tirou a roupa, se abaixou no chão da sala e chamou o cachorro pra junto dele. Fez bastante carinho no cachorro, já aproveitando pra passar a mão nas bolas e no pau dele. E fez o cachorro deitar no chão de barriga pra cima, aproveitando pra brincar com as bolas do cachorro e até enfiou o dedo no cu dele.

O pau do cachorro começou a sair pra fora e o padre Leo aproveitou, ficou de quatro e deixou o cachorro montar nele. O cachorro enfiou o pau no cu dele e ficou enganchado ali por uma meia hora, até soltar e sair andando pra fora da sala.

O padre Leo sentia o cuzinho arder tão gostoso que bateu uma punheta ali mesmo. E ainda bateu mais duas nesse dia.

No dia seguinte, assim que ele acordou, lembrou que ainda não tinha ido ao galinheiro. E decidiu dar um passeio por lá.

Quando chegou, viu um galo branco, bonito, cantando e batendo as asas.

Não teve dúvida: já de pau duro, pegou o galo, foi pra uma canto do galinheiro, botou a rola pra fora e enfiou no cu do galo com toda força que pôde.

Fez isso com tanto força que o galo morreu logo depois, mas ele continuou metendo até gozar. Aí, depois de guardar a rola, levou o galo pra cozinha, mostrou pra cozinheira e disse que tinha encontrado o galo morto no galinheiro, mas não queria desperdiçar. E queria que ela preparasse.

Ela assou o galo e levou pro padre Leo, que resolveu comer sozinho no quarto. Mas, quando ficou sozinho ali com o galo assado, ainda sentiu tanto tesão que botou a rola pra fora e bateu uma punheta gostosa e gozou em cima do galo assado (era um temperinho especial).

Depois ele comeu o galo, lembrando que tava comendo ele pela segunda vez.

No dia seguinte, ele resolveu voltar pra igreja: tava com saudades das rolas dos padres que ele chupa lá todo dia. Mas pensando em voltar pro sítio algum dia. Quem sabe levando um colega de batina, pra apresentar aos animaizinhos?

E uns tempos depois de ter feito esse retiro espiritual, o padre Leo resolveu pedir de novo ao chefe da ordem dele pra fazer outro retiro. Mas disse que tinha feito tanto bem a ele que queria levar alguém junto dessa vez.

O chefe da ordem do padre Leo disse então pra ele levar um noviço de 15 anos, que já seria uma boa experiência pra ele.

Feliz da vida, o padre Leo levou o noviço pro sítio. Mas só o caseiro estava lá, porque os meninos estavam estudando em outra cidade e a mulher estava passando uns dias com a mãe.

Assim que chegou lá, o padre Leo chamou o caseiro pra perto dele e do noviço e disse:

-Já que só tem homem aqui, vamos andar sem roupa.

-Mas isso não é pecado, padre?

-Pecado por quê? Adão não andava nu quando não tinha a Eva? Então? Aqui só tem três Adões e nenhuma Eva.

Os três tiraram a roupa e o padre Leo nem se importou em disfarçar que já tava de pau duro.

O caseiro ficou olhando enquanto o pau do noviço endurecia também e, pouco depois, ele caía de boca na rola do padre Leo.

O pau do caseiro começou a endurecer também e ele começou a tocar punheta, até que o padre disse:

-Vai ficar só olhando? Encaixa logo no cuzinho dele.

O caseiro foi logo e meteu no cu do noviço, que continuou chupando a rola do padre Leo, até que os dois gozaram no noviço. O padre na boca e o caseiro no cu.

Quando terminaram, os três passaram a mão na cintura um do outro e foram andando pelados pelo sítio, contando um pro outro todas as trepadas que já tinham dado. Só o padre Leo que não conseguiu contar todas, porque já tinha dado tantas, tantas, tantas, tantas, tantas, tantas, tantas, tantas, tantas, tantas, tantas... que precisaria de mais de um mês falando sem parar pra contar todas.

Quando chegaram num campo, encontraram um bezerrinho, que o padre reconheceu:

-Esse bezerrinho faz um boquete gostoso!!! Eu botei ele pra chupar o meu pau da outra vez que eu tive aqui.

O noviço já se animou logo.

-Ah, eu quero experimentar também.

O padre ensinou:

-É só chegar e fazer um carinho nele, que ele é mansinho. Depois, bota a rola na boca dele que ele faz o resto.

O noviço correu até lá e fez isso, recebendo o boquete mais gostoso que já tinha experimentado. Nem os outros noviços que chupam o pau dele todo dia no convento sabiam fazer tão gostoso.

O padre Leo e o caseiro ficaram olhando e punhetando um ao outro, enquanto o caseiro dizia:

-O garoto é novinho, mas já sabe o que é bom.

-Quando eu era mais novo do que ele eu já fazia muito mais do que isso. Quando eu tinha uns 10 anos eu já chupava a rola do meu irmão mais velho e dava o cu pra ele. E quando eu tinha uns 7 eu já batia punheta quando espionava o meu pai tomando banho.

-E por que que o senhor decidiu ser padre?

-Exatamente por isso: na igreja se acha putaria com muita facilidade. É o lugar perfeito pra mim.

Nessa hora, um cavalo veio se aproximando e o padre se lembrou:

-Aquele cavalo também chupou o meu pau da outra vez.

-Ah. Esse eu já experimentei.

-Eu só não dei o cu pra ele. O resto eu fiz tudo.

-Não quer experimentar agora, padre?

-Claro.

Os dois andaram até o cavalo e o caseiro botou a rola na boca dele, enquanto o padre se abaixava embaixo dele e esfregava a bunda no pau dele.

Logo o pau do cavalo saiu e encaixou de uma vez só no cu do padre Leo, que era bem largo, já que ele tava acostumado a dar muito todo dia.

O cavalo ficou uns 10 minutos comendo o cu do padre e chupando o pau do caseiro, até que gozou quase 1 litro de porra no cu do padre.

Quando o padre Leo se levantou, o caseiro viu que ele ainda estava de pau duro e, se ajoelhando, começou a chupar o cacete dele.

O padre Leo gemia que nem um louco de tanto tesão, pois sentia ao mesmo tempo as duas sensações que mais gostava: o cu ardendo depois de ser encaçapado e uma boca quente chupando a cabeça da sua rola. Ele gritou:

-Vou gozar.

E soltou um monte de porra na boca do caseiro, que engoliu tudo com muito gosto. Mas a rola dele continuou dura depois disso. E ele falou:

-Vamos aproveitar e deixa eu comer o seu cuzinho? Adoro comer o cuzinho de homem casado.

-Claro, padre.

O caseiro ficou de quatro e abriu as pernas e o padre Leo meteu a rola ali, esfolando aquele cuzinho de homem casado. E gozou que nem um louco.

Quando eles terminaram, olharam pro noviço e viram ele ainda se divertindo com o bezerrinho. E o padre disse:

-Deixa ele se divertindo aí por hoje. Ainda vamos passar mais uns dias aqui. Temos tempo pra brincar bastante... Por enquanto, vamos voltar pra casa: quero matar a saudade do seu cachorro.

O caseiro riu e respondeu:

-Vamos lá, padre.

Os dois passaram a mão na cintura um do outro e foram andando.

segunda-feira, 22 janeiro, 2007  

Postar um comentário

<< Home